83

Um dos sonetos mais conhecidos escrito por volta de 1534 e dedicado a Tommaso Cavalieri (cf. nº 56). No verso da folha constam medidas de alguns blocos de mármore a serem utilizados pelo autor. O soneto explicita de forma mais clara a paixão do autor e as reações negativas da opinião pública (o vulgo do verso 5); na época Michelangelo foi acusado pelo pai de um seu aprendiz e pelo escritor Pietro Aretino de práticas homossexuais (J. Saslow, p. 27). Contudo, o texto apresenta uma enunciação da visão neoplatônica do amor, enfatizando a ascensão da alma até Deus (versos 3-4 e 9), rechaçando as vulgares insinuações, pois no texto a atitude do autor está justificada pelo onesto desio (honestos desejos).

con esso, com ele: com seu rosto.
non è l’intensa voglia: não por isto aprecio menos.
9-11 Inverta-se: ogni beltà …s’assembra …a quel pietoso fonte. tamanha beleza… se parece… áquela piedosa fonte [ou seja: a Deus].
12 dal cielo in terra: da divinidade na terra não temos outros frutos.
   Veggio nel tuo bel viso, signor mio,
quel che narrar mal puossi in questa vita:
l’anima, della carne ancor vestita,
con esso è già più volte ascesa a Dio.
   E se ‘l vulgo malvagio, isciocco e rio,
di quel che sente, altrui segna e addita,
non è l’intensa voglia men gradita,
l’amor, la fede e l’onesto desio.
   A quel pietoso fonte, onde siàn tutti,
s’assembra ogni beltà che qua si vede
più c’altra cosa alle persone accorte;
   né altro saggio abbiàn né altri frutti
del cielo in terra; e chi v’ama con fede
trascende a Dio e fa dolce la morte.

Vejo no teu belo rosto, senhor meu, / o que mal posso narrar nesta vida: / a alma, de carne ainda vestida, /com ele muitas vezes subiu a Deus. / E se o vulgo maldoso, néscio e cruel, / aquilo que sente, em outrem aponta e indica, / não aprecio menos o intenso querer / o amor, a fé e  honestos desejos. / Àquela piedosa fonte, onde nascemos todos, / a olhos cordatos, mais que tudo se parece / tamanha beleza que ao redor se vê. / Nem outra prova temos nem outros frutos / do céu na terra; e quem te ama com fé / ascende até Deus, e julga bem  doce a morte.

Questa voce è stata pubblicata in Michelangelo. Contrassegna il permalink.

Lascia un commento

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione / Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione / Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione / Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione / Modifica )

Connessione a %s...